Um novo olhar sobre o autismo: semana de conscientização em Santo Ângelo

O Comitê Gestor de Equidade de Gênero, Raça e Diversidade e a Comissão de Cultura do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) convidam
Vamos falar de aceitação





Por Fabiana Gallon, Juíza
do Trabalho



Os filhos são diferentes, todos me diziam. Porém,
sabia, algo estava errado com o José Antônio, nascido em 27.01.2013. Os
pediatras, amigos da família,
Presidente da AMATRA IV participa de evento que debate a Reforma da Previdência

A presidente da AMATRA IV, juíza Carolina Gralha, participou da abertura da 1º Jornada Internacional em Defesa da Previdência Social. O
TJC na cidade de Feliz: AMATRA IV fará novas ações conjuntas em prol da cidadania





A AMATRA IV recebeu representantes do município de Feliz (RS) em sua sede. A reunião ocorreu a partir de convite da Coordenadora do
Minha filhinha autista me ensina, a cada dia, como ser uma pessoa melhor

Por Cleiner Palezi Juiz do Trabalho aposentado







Já no terceiro dia da vidinha dela, algo me dizia que havia coisas fora do lugar; no terceiro
Cada dia é um recomeço

Por Gloria Mariana da Silva Mota Juíza do Trabalho







Meu caçula, Alexandre, era um bebê diferente. Ele não dormia, passava as madrugadas em claro, cochilava um pouquinho de manhã e acordava
Artigo: Sobre meninas e meninos de azul

 
Por Fabiano Holz Beserra, desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS)
Azul é a cor que simboliza o autismo. Quando minha filha, à época com quase

Capacidade econômica da contratada: requisito à terceirização

Rafael da Silva MarquesMuito já se discutiu e ainda se discute sobre a subcontratação de trabalhadores no Brasil1. Inclusive é ela tema de uma ADPF (de constitucionalidade duvidosa) e que tramita hoje no STF2. O objetivo deste texto, ao contrário de outros que já escrevi, não é questionar a inconstitucionalidade ou não da terceirização e nem tratar de do binômio atividade-fim atividade-meio ou da responsabilidade.

Leia Mais

Precisamos falar sobre o suicídio

Precisamos falar sobre o suicídio Jaqueline Maria Menta Os indivíduos, não importando nível de escolaridade, intelectual, profissional, social, etc, confrontam-se com diversas formas de estresses na sucessão dos dias, seja no…

Leia Mais

Um outro olhar

“Todos os dias somos surpreendidos por alguma manchete ou alguma ação contra o Judiciário – o mais produtivo de todos os tempos. Dias de luta, dias de glória, já dizia a música. Esperamos…

Leia Mais

Associação recebe atividades da Anamatra em sua sede

A AMATRA IV foi anfitriã de encontros oficiais da Anamatra nos dias 21 e 22/8. Nas ocasiões, ocorreram reuniões da Diretoria da Anamatra, do Conselho Fiscal e do Conselho de Representantes, além do encontro do Diretor de Aposentados da entidade nacional com os jubilados da 4ª Região. Nos dois dias, os magistrados também participaram de almoços de confraternização. Encontro dos jubilados No dia 21/8, a Diretoria de Aposentados da Anamatra realizou importante encontro com os jubilados da 4ª Região. O evento contou com a presença do presidente da Anamatra, Guilherme Feliciano, e do Diretor de Aposentados da entidade nacional, Rodnei Doreto. O encontro também foi acompanhado pela presidente e o vice-presidente da AMATRA IV, Carolina Hostyn Gralha e Tiago Mallmann Sulzbach, pelo diretor de divulgação, juiz Márcio Lima do Amaral, e pela coordenadora do TJC, juíza Aline Fagundes. A representante da Coordenadoria dos Jubilados da entidade, Catharina Dalla Costa, também esteve presente na reunião. Ao se pronunciar, Feliciano teceu elogios ao diretor Rodnei Doreto por sua disposição de lutar pelas causas dos jubilados. O presidente da Anamatra também abordou questões ligadas à Parcela Autônoma de Equivalência (PAE), à remuneração paritária da magistratura, pecúlio nacional, priorização de recebimento de passivos por idosos e enfermos, além da filiação de pensionistas à entidade nacional, o que demandará alteração estatutária.

Leia Mais

Passado e presente unidos na homenagem da AMATRA IV pelo Dia do Magistrado

Comemora-se neste sábado, 11/8, o Dia do Magistrado. Para celebrar esta data, a AMATRA IV publica entrevistas com quatro associados sobre a carreira e suas especificações. Nelas, são apresentadas a análise de dois de seus primeiros associados, colegas que já cumpriram seu tempo de profissão e hoje estão aposentados, e a perspectiva de dois jovens juízes que ingressaram na Justiça do Trabalho da 4ª Região em 2017. Nos relatos de tempos idos e atuais, alguns aspectos em comum nas respostas de Alcina Tubino Ardaiz Surreaux, Gilmara Pavão Segala, José Fernando Ehlers de Moura e Rodrigo de Mello: o amor pela profissão que é vista como um sólido caminho de pacificação social. Por meio desta série de depoimentos, a Associação homenageia a todos – magistrados e magistradas – que diariamente labutam para tornar o Brasil um país mais justo. SIGAM SUAS CONVICÇÕESAlcina Tubino Ardaiz Surreaux, 91 anos, primeira mulher a ocupar o cargo de presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) Nasceu em Quaraí/RS no ano de 1926. Graduada em Direito pela UFRGS em 1950. Em 1957, prestou concurso para o TRT-RS. Ingressou na magistratura em 23/7/1958. Em junho de 1959, tomou posse no cargo de juíza presidente da Junta de Conciliação e Julgamento de Novo Hamburgo/RS. Entre 1960 e 1979, ocupou a Presidência da 1ª JCJ de Porto Alegre. Em 1981, instalou a 3ª Turma Julgadora do Tribunal, da qual foi a primeira presidente. Foi eleita para ocupar a vice-presidência do Tribunal no biênio 1983/1985, tendo sido a primeira mulher a estar à frente do cargo. Também foi a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente do TRT, que exerceu no período de 1985 a 1987. Aposentou-se em 1988.Quais as suas expectativas quando do ingresso na carreira?Minha expectativa era de desempenhar bem a função.A magistratura, e em especial a trabalhista, foi uma meta ou surgiu no decorrer de sua profissionalização?Inicialmente não foi uma meta, e sim a vontade de aproveitar a oportunidade que surgiu na época, pois a carreira me interessava muito. Sentia-me mais identificada com a função de juíza do que no exercício da advocacia.

Leia Mais